Não deixe de conferir:

12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos - Programação

Pra quem estava ansioso, este ano a tradicional Mostra Cultural do grupo A Ordem do Caos ocorre no mês de agosto! Com atrações totalme...

30/11/2013

Um livro, um café e a certeza de mais uma emoção

Por Carol Zanola

"Vale a pena escrever, mesmo que você não saiba onde vai bater. É por isso que eu escrevo."
Ignácio de Loyola Brandão

Créditos: Gui Mohallem/Revista Lindemberg
Eu preciso ler, preciso me transportar mesmo que por poucos minutos para lugares que nunca fui, mas onde irei?
Para vidas que não são a minha, mas que me sensibilizam. Para momentos históricos que não presenciei fisicamente, mas que fazem parte da nossa história.

Essa semana passei por uma experiência incrível. Essa necessidade de ler me "prega" algumas peças. A dessa semana, foi a procura enlouquecedora por uma revista de mitologia que vi em uma rede social de um grande veículo. Ainda não achei a revista (aceito presentes), mas me deparei com o catálogo de uma das livrarias que estive e para a minha surpresa um dos meus escritores favoritos (além de celebre jornalista, autor e roteirista) estava na capa. A curiosidade foi tamanha que parei na própria livraria, comprei um café e li, li e li.
As peripécias contadas pelo grande Ignácio de Loyola Brandão, passam por redações de grandes jornais e revistas,  pelo cinema e pelo seu canto, seu apartamento em São Paulo. O autor diz que muitas vezes se impressiona com o poder de um texto " Um texto que você escreve dentro de um apartamento em São Paulo, vai bater em alguém".

Zero mostra um romance satírico
 que tem como plano de
 fundo a ditadura militar
A sétima arte foi o primeiro degrau de uma carreia linda e cheia de experiências fantásticas mostradas em alguns de seus trabalhos.  Só de pensar que o próprio começou a escrever porque soube que os críticos de cinema não pagavam a entrada. Santo cinema! Que descobriu esse talento por meio da opinião sobre o filme "Rodolfo Valentino".

Seu primeiro livro gerou um reboliço no cenário brasileiro, "Zero" foi  recusado por quatro editoras e acabou sendo lançando primeiro em italiano. O lançamento do título só foi possível em um período mais ameno da história do nosso país. A obra conta a história de um casal cômico que vivia em meio aos destroços de uma sociedade reprimida. Questionado sobre esse período, Loyola diz que  “A censura trouxe a lição de manter a minha integridade e estar sempre pronto contra tudo que possa ameaçar essa minha liberdade,  mas ele [livro] é o que me lançou nacional e internacionalmente, porque foi o primeiro livro nos anos 70 que contou o que estava acontecendo”. 
Tantas histórias, experiências, lugares, pessoas e situações são retratadas em sua obra. Vale a pena se envolver com algum dos contos, crônicas, livros. Vale a pena conhecer
Loyola!

Ignácio de Loyola Brandão, abrilhantou minha tarde de segunda-feira.  




Fontes:
http://www.ignaciodeloyolabrandao.com/Files/BiografiaPdf/biografia_loyola.pdf
http://www.releituras.com/ilbrandao_bio.asp
http://www.infoescola.com/biografias/ignacio-de-loyola-brandao/
http://g1.globo.com/pa/santarem-regiao/noticia/2013/11/ignacio-de-loyola-brandao-participa-de-encontro-literario-em-santarem.html
http://www.globaleditora.com.br/autores/busca-de-autores/?AutorID=139

http://www.globaleditora.com.br/catalogo-geral/literatura-brasileira/?colecao=129&LivroID=1560




Carol Zanola é assistente de arte. Tem formação superior em Produção Multimídia. Apaixonou-se logo cedo pelo cheirinho de jornais e revistas e nunca dispensa um belo café. Estudante da Oficina de Teatro 2013, do grupo A Ordem do Caos.