Não deixe de conferir:

12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos - Programação

Pra quem estava ansioso, este ano a tradicional Mostra Cultural do grupo A Ordem do Caos ocorre no mês de agosto! Com atrações totalm...

15/04/2014

Casais

Por Arthur Ferragini




Hoje me deparei com dois lindos casais, mas em sentidos diferentes da palavra.

Em meu caminho para o trabalho, dentro de um ônibus, posso observar diversas histórias. Ou diversas pessoas, se preferir.

Hoje minha atenção foi direcionada a quatro dessas, que formavam dois casais distintos. Irei explicar o por quê de serem diferentes.

No primeiro casal, um vestia uma polo vermelha, um tênis e uma calça jeans. Estava com a mochila na mão, esperando o ônibus. Ela também esperava. Tinha um sorriso impossível de não se apaixonar, cabelos alourados e lisos e usava camisa verde e calça social. Tinham uma conversa despreocupada, despretensiosa.

Estavam próximos o suficiente para serem amigos. Ele parado, ela se movimentando; ia e vinha de perto dele. A vontade de colocar a cabeça para fora da janela e dizer “Vocês formam um lindo casal!” era enorme.

Um casal no sentido "João e Maria".

No segundo casal, ele tinha cabelo encaracolado, vestia camisa, calça e sapato sociais. Estava com cara de bravo, talvez por terem brigado. Talvez apenas tivesse ascendente em Áries, como eu, e carregava a cara de mau em momentos de introspecção. O outro (“ele” também) tinha cabelo bem rente, tatuagens no antebraço, camisa com mangas arregaçada e calça jeans. Eram um contraste: Moderno X Clássico.

Na catraca (eles estavam dentro do ônibus), o segundo se aproximava do primeiro, sentindo seu cheiro. Parecia uma tentativa de agradar o parceiro. É, acho mesmo que haviam brigado pouco antes.

Ao desembarcarem, andavam próximos, se tocando. Não podiam dar as mãos, sabiam, mas sua proximidade delatava o crime:


Um casal no sentido "Romeu e Julieta".


Imagem:http://www.wikipaintings.org/en/edvard-munch/kiss-1897


Arthur tem 20 anos, estuda Publicidade e é vendedor em um e-commerce. O teatro para ele é um meio de desenvolvimento e crescimento pessoal, quase como uma religião. Pode parecer uma comparação "pesada", mas, ao contrário, o teatro o leva  apenas leveza! Estudante da oficina teatral A Ordem do Caos 2014.