Não deixe de conferir:

12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos - Programação

Pra quem estava ansioso, este ano a tradicional Mostra Cultural do grupo A Ordem do Caos ocorre no mês de agosto! Com atrações totalm...

23/07/2016

O penúltimo domingo foi repleto de risadas | 11ª Mostra Cultural A Ordem do Caos

Por Larissa Costa

Quem iniciou o terceiro domingo da 11ª Mostra Cultural foi a cantora Nélida, com canções sobre amor e sua ausência. Há cerca de 17 anos ela se envolveu com a arte, por meio de corais, e hoje é professora de canto. Ela trouxe ao público o projeto Sobre amor essas coisas, pontapé inicial de um projeto maior, o “Dor de Cotovelo”. Segundo a artista, esse trabalho é autobiográfico, mas também inclui histórias de outras pessoas a respeito de como tratar as coisas do coração. “É muito interessante a forma que as pessoas lidam com o amor, com a paixão - as duas coisas são diferentes - e também com a falta disso”, declara.

Em seguida, a peça O Funeral, da Cia Vida em Ação - formada em 2013 - tomou a atenção do público. Apesar do título um pouco mórbido, a apresentação de apenas dez minutos é regada de humor. A história se passa em torno do funeral de uma das personagens de outras esquetes da Cia e da partilha de bens da falecida. As senhoras que tentam ficar com as coisas valiosas acabam se frustrando e, a partir disso, a comédia se instala. Amanda Alves, uma das integrantes do coletivo, afirma: “A gente trabalha, estuda e ainda tem que correr para fazer as apresentações. Nós fazemos porque gostamos mesmo. Sempre na correria, mas sempre com bom humor”.

Para não perder o timing do humor, A Vida Íntima de Gabriela, espetáculo da WM'S Cia de Artes e Dança, chega ao palco e conquista ainda mais risos do público. Existente há dois anos, a peça foi reformulada, de dança para teatro. Com suas palhaçadas e artifícios, Gabriela e sua mãe, Dona Dodô, contam como foi sua cansativa viagem de Ilhéus a São Paulo em busca de Reginária (irmã de Gabriela), trazendo um potinho com farofa e outro com (deliciosas) rapaduras e mocotó. Neuza, intérprete da mãe de Gabriela, é atriz desde 2006 e conta se divertir muito com a montagem. “Eu adoro. Gosto muito de brincar com o público e é sempre um trabalho legal”, conta.

Ainda com muita alegria e risos, a Cia Os Desconhecidos traz a peça E Lá Vou Eu, conquistando um momento de reflexão do público. Desde o final de 2015 o grupo - existente há seis anos - realiza estudos relacionados à escravidão e sua relação com a atualidade. “O nosso objetivo é tentar mudar a cabeça [das pessoas] da periferia, mostrar que eles podem buscar mais e ir além. Não simplesmente trabalhar dia após dia e dar dinheiro para quem é rico e só quer enriquecer: nossa ideia é demonstrar os erros e apontar que a gente pode correr atrás disso, resolvê-los”, explica Renan, fundador do coletivo.
Rodrigo, ator e membro da companhia, fala um pouco sobre as ideias que fizeram surgir a peça. “A gente viu muito paralelo em o Navio Negreiro ser o ônibus dos dias atuais e vários outros aspectos que batem  com nossa realidade. Sem dúvida, estar no palco é muito emocionante. Tem que entrar na personagem... e é uma coisa maravilhosa, ainda mais com o público super receptivo. Eu fiquei muito agradecido”, revela.

Giselle Alcantara assistiu a todas essas apresentações e diz ter gostado bastante, ressaltando uma delas: “Todas as peças estão muito boas, com poucos intervalos. Uma está melhor que a outra. Gostei muito da esquete [O Funeral], delas achando o diamante no fim das cinzas”, conta.
Cléia veio da Praia Grande especialmente para assistir Mulher Inteira, peça cuja sua sobrinha é diretora, e diz que também gostou de assistir às comédias do dia: “Eu gostei por fazer a gente sorrir”, declara. A peça que Cléia desejava assistir, enfim entrou em cena. Mulher Inteira, da Cia As Marcelinas (vinda de Barueri e existente desde 2014) mexeu principalmente com o público feminino, por tê-lo como tema principal do enredo. Senhoras e jovens garotas dividem o palco, encenando, dançando e questionando o papel da mulher nos dias de hoje.

Ao ser questionada sobre o objetivo da apresentação, Drica, professora de dança contemporânea do grupo, é clara: ”Refletir sobre qual o papel da mulher, o que é ser mulher no dia a dia”. Eduardo Sena, professor de teatro do grupo, fala sobre a reação de quem assiste: “É uma maravilha ver como o público recebe a história. Eu fico lá atrás e vejo a reação das pessoas, vibrando, chorando, e então penso que estamos no caminho certo”. 
De acordo com Drica, o curso que as atrizes participam é na verdade uma seção de oficinas, e não um “teatro regular, técnico ou profissional, mas sim abertas ao público, para qualquer pessoa - iniciantes com intermediários e etc.”, com vagas abertas constantemente.

Finalizando o domingo, foi a vez do Grupo Teatro Delivery (com oito anos de estrada) apresentar a Sessão Delivery, com seis diferentes esquetes encenadas por diversos atores. Pretende-se, com este projeto, literalmente levar o teatro às pessoas. Eles realizam apresentações onde puderem, inclusive casas, basta pedir, tal qual um verdadeiro delivery de fast food, só que de cultura e entretenimento, como diz Roberto Borenstein, fundador da companhia. “A ideia é levar o teatro para onde nos abrirem as portas”. O ator ainda complementa: "O objetivo é fazer peças que caibam em qualquer espaço, como um teatro meio 'camaleão', tomando a forma do lugar que a gente entra”.
Lucas Cavalcanti apresentou a cena “Cabeça de Vento”, sobre um garoto que tem uma intensa relação com o vento. Está no início dos estudos sobre teatro e, para ele, essa apresentação foi essencial: “Eu queria ter esse treino de, enquanto ator, estudar um tema que eu queira falar sobre, que tem alguma relação comigo, e entrar nesse universo do Teatro Delivery. Estou testando muitas coisas e é um presente fazer essa cena”, diz.

Luciano de Faria participou de três das esquetes. Formado pela Macunaíma em 2014, faz parte do grupo desde o início deste ano. Ele fala sobre a importância deste trabalho. “Eu escolhi essa profissão porque eu nela eu brinco. Já trabalhei em banco, ganhava super bem, só que meu dia era muito chato. Portanto, aqui eu tenho a possibilidade de no meu trabalho estar me divertindo, e isso para mim é a coisa mais especial do mundo”, conta, empolgado.

O próximo domingo, dia 24 de julho, é o encerramento da 11ª Mostra. As últimas peças de conclusão da oficina e outras atrações estarão esperando por você! Não perca!

Larissa Costa é estudante de jornalismo e estagiária na FAPCOM - Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Acredita que foi a profissão que a escolheu e não o inverso. Gosta de observar os detalhes e admirar o que parece ser invisível. O estranho a envolve, o novo a atrai. Ama sorrir e chamar sorrisos. Gosta de ser feliz e transmitir esse sentimento a todos e todas que puder. É uma pequena garota que busca realizar seus gigantescos sonhos.