Não deixe de conferir:

12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos - Programação

Pra quem estava ansioso, este ano a tradicional Mostra Cultural do grupo A Ordem do Caos ocorre no mês de agosto! Com atrações totalme...

28/11/2012

Vamos dançar para salvar o mundo?


Por Daniela Pedroso
O consumo de energia em baladas é muito grande, e apesar da maioria não se importar com isso, sempre tem meia dúzia preocupada com o impacto que causa no mundo. Mas o que se pode fazer diante dessa situação?
A sustentabilidade está na moda e entre tantos empreendimentos sustentáveis, chegou a vez da diversão noturna! \O/ Sim, agora você pode dançar a noite toda e saber que a energia que você gasta para se divertir está produzindo energia elétrica para abastecer o local. Isso não é ótimo?

Calma! Sem pânico! Eu explico melhor!
Como resultado de um projeto relacionado à sustentabilidade, a Enviu – Inovadores em sustentabilidade e Döll Arquitetos criaram o conceito Sustainable Dance Club (SDC), uma ideia que foi lançada para o desenvolvimento de práticas, estratégias e produtos inovadores para os proprietários de clubes e organizadores de festivais. O produto que mais tem se destacado desde o incio é a Sustainable Dance Floor, ou "pista de dança sustentável" para nós.  Desde 2009, a SDF foi lançada e transportada em todo o mundo para uma variedade de clientes, como instalações permanentes em museus nos EUA e em muitos eventos de todo o mundo, inclusive no Brasil.



Mas afinal, que diabos é Sustainable Dance Floor? 

Este produto incorpora perfeitamente diversão e sustentabilidade, convertendo o movimento de pessoas em eletricidade utilizável. A SDF usa a movimentação das pessoas enquanto dançam como fonte de energia. Esta, produzida pelo movimento, é convertida em energia elétrica, usada para fazer a pista reagir ao publico de forma interativa. A eletricidade também pode ser alimentada de volta para a rede elétrica ou usado para sistemas locais, tais como LED de luzes. 
Mas como essa energia é transformada?
Viva a Engenharia!

Para gerar eletricidade, o chão tem que se comprimir 10 milímetros ao ser pisado. Esta pequena compressão é suficiente para ativar o gerador interno daquele módulo (75x75x20cm), que irá produzir 35watts. A pista pode ser montada com diversos desenhos, de acordo com o projeto do cliente.
De acordo com a SDC, a Eco House em São Paulo foi o primeiro local para eventos totalmente sustentável no Brasil. O edifício foi reconstruído usando materiais orgânicos por toda a parte, e um número de ideias criativas sustentáveis ​​foram integrados em sua concepção. Algumas destas características inventivas são a reutilização da água por meio de uma instalação de purificação especial e a instalação da pista sustentável. A SDF é integrada no piso térreo do local, em uma forma de diamante personalizado. Nove módulos foram instalados para ficarem no nível da entrada. Foram feitos buracos no concreto para passar os cabos da SDF.
Ainda falta interesse dos empresários em investir esse tipo de tecnologia nas suas casas noturnas aqui no Brasil. Não tenho noção de valores, mas com certeza economizar cerca de 30% na energia, entre outras vantagens, me parece um bom investimento. Eu não sou a melhor pessoa para falar de baladas, mas nunca vi nenhum trabalho assim nos clubes brasileiros. Se alguém já viu, comente aqui no blog.
Fonte: http://bit.ly/Tu8ayB
Imagens: http://bit.ly/Qrq6t1 e http://bit.ly/YsrlM1

Daniela Pedroso é bióloga e pós-graduanda em Biologia Molecular, auxiliar de cenografia do grupo teatral A Ordem do Caos e colabora com o AODC Noticias quinzenalmente, sempre às quartas-feiras, com dicas de meio-ambiente e sustentabilidade.