Não deixe de conferir:

Olha como vem: 12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos abre inscrições

Demoramos mas estamos aqui, porque 2017 não poderia passar em branco sem a 12ª edição da nossa mostra cultural! Há doze anos criamos essa ...

21/06/2014

Slam do Corpo

                                   Por Pâmela Gomes  


“Paro e observo!
Enquanto mudos e surdos,
Dizem TANTO, tanto, tanto....
Somente com gestos, expressões e o Olhar...!”



Nesta última quarta-feira foi realizado no Sesc Pinheiros o 1º Slam de surdos e ouvintes do Brasil o SLAM DO CORPO.



Não sabe do que estou falando? Bom então vamos por partes.


Slam é o nome dado aos encontros realizados em casas, bares, ruas, teatros, onde ocorre uma espécie de batalhas de poemas. O interessante é que, por meio dos versos, as pessoas ali presentes podem expor suas opiniões diante das questões vivenciadas e suas experiências no meio em que vive. 

Em São Paulo temos como exemplo o Slam da Guilhermina, o Slam do 13 entre outros. Vale muito a pena pesquisar e visitar.



Mas voltando ao SLAM DO CORPO...


Slam do Corpo foi o resultado de três meses onde um grupo de pessoas ouvintes e surdos se reuniram assumindo a proposta de realizar um Slam diferente, onde simultaneamente ouvintes e surdos se apresentariam com poemas feitos pelos mesmos. E eu adorei fazer parte disso!



Confesso que de inicio fiquei na dúvida se daria certo, mas ao longo dos primeiros encontros nos foram apresentadas pessoas como Cibele Lucena, Joana Zatz Mussi, Roberta Estrela D’álva, Cauê Gouveia, Daniel Minchoni, Claudia Schapira e Luaa Gabanini, Amarilis Reto, Leonardo Castilho e documentação de Fernando Coster que mostraram que tudo é possível, as limitações vem de nós.

É mágico descobrir em outra língua a simplicidade das coisas. Ver, sentir o que é este mundo onde o corpo é quem fala. Descobrir que para eles a linguagem é algo simples, assim como para nós é o Falar.

E teve uma frase de um poema apresentado que me marcou muito:
“Ela não precisa falar a SUA língua para ter VOZ.”

Foi realmente uma experiência única, onde aprendi mais de mim para mim. E sei que será o primeiro de muitos.




Se interessou? 

Então curta as páginas do:
Corposinalizante: (grupo que há quase três anos estuda relações entre a Língua Brasileira de Sinais e a poesia)

Núcleo Bartolomeu de Depoimentos: (que coordena o ZAP, primeiro Slam de São Paulo)

Sarau do Burro: (um espaço diverso, coordenado pelo artista e poeta Daniel Minchoni.)


Pâmela Gomes é formada em Produção Multimídia, trabalha com edição fotográfica e de vídeo, estudante da Oficina de Teatro do grupo “A ordem do Caos” desde 2013.