Não deixe de conferir:

Temporada do espetáculo teatral "O Rouxinol e a Rosa"

O grupo teatral A Ordem do Caos convida você para assistir à temporada do espetáculo O Rouxinol e a Rosa, no CEU Caminho do Mar. Com ...

04/06/2013

Desengano

 Por Bia Oliveira


Senta o petiz ao meu lado e sorri, sorri irritantemente.  Como eu não tivesse mesmo o que fazer, a não ser pensar, pensar e pensar Nela incessantemente, deixo que fique ao meu lado e espero que dê início a suas tediosas indagações.
Dito e feito:

- Tio?
- Sim?
- Que é que o senhor está fazendo?
- Pensando.
- Pensando em quê?
- Na Vida, meu jovem, na Vida.
- Ahh...
 ...
- Tio?
- Sim?
- Que é a vida?
- Ah, ainda não lhe contaram sobre a Vida, não é mesmo? - Ausente sua resposta, vi nisto um sinal para que prosseguisse.
- A Vida foi uma mulher que me encantou muito. Digo que foi, não porque agora está morta, mas porque hoje não a quero mais comigo.
- E como é que ela era?
- Ah, era linda a Vida! Verdadeiramente linda! Inteligente, bela, sutil e graciosa. Era daquelas que quando a gente olha endoidece, e quer tocar com as mãos, e quer sentir, e quer tanto ela que parece carecer somente dela, porque sem ela não há o que fazer. Mas eita danada de gênio forte! Ai se tu visse menino! - como eu tivesse dito muita palavra estranha, fez que perguntou, agarrando-se a última:
- Tio?
- Sim?
- Que é gênio forte?
- Gênio forte é mulher.
- E porque a vida se foi?
- Ela não foi, eu é que decidi partir.
- E por quê?
- Porque, meu caro, como toda mulher, a Vida também tinha os seus defeitos. Quando tirou a maquiagem, seu lindo espartilho, desceu do salto e pôs-se a grassar as nojeiras que tinha, não pude; larguei logo de tudo aquilo.
 ...
- E agora?
- E agora o quê, menino?
- Que há agora, tio?
- Não sei filho, sinceramente, eu não sei. Mas sei o que não há: não há mais futebol, não há mais beleza, sabor ou beneficência, não há samba! E eu tento, tento, tento, gostar dela assim mesmo, do jeito que ela é...  Ai, que saudades eu tenho daquele samba!
Como que entontecido com tanta palavra nova, perguntou de uma vez, ávido por manter a conversa:
- Tio?
- Sim?
- Que é sÁmba?
- Não é sÁmba, é samba.
- Como?
- SAMBA: Sã-ãmba!
- Ah...
 ...
- Tio?
- Diga.
- Que é sãÃmba?
...
- Samba, meu caro, é o rebolado da vida.


Bia Oliveira é Estudante da Oficina teatral A Ordem do Caos, participa do AODC notícias e mantém seu blog pessoal: http://bia-blogpessoal.blogspot.com.br/