Não deixe de conferir:

Olha como vem: 12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos abre inscrições

Demoramos mas estamos aqui, porque 2017 não poderia passar em branco sem a 12ª edição da nossa mostra cultural! Há doze anos criamos essa ...

11/12/2015

Museu da Diversidade Sexual divulga a cultura LGBT

Por Danilo Moreira



Criado em 2012 e administrado pela Secretaria Estadual da Cultura, o Museu da Diversidade Sexual tem como objetivo coletar, divulgar e preservar o patrimônio cultural da população LGBT brasileira. Localizado na estação República do Metrô (Linha 4 – Amarela e Linha 3 – Vermelha), o espaço apresenta exposições com trabalhos de artistas de várias partes do país, sendo, de acordo com dados do Governo do Estado, o terceiro museu LGBT do mundo e o primeiro da América Latina focado nesse segmento. O local é relativamente pequeno, com 110 metros quadrados, mas bem organizado para que os visitantes possam contemplar as obras.

A esquina de Monalisa

Um olhar de Marte
Em visita ao local pude conferir a 1ª Mostra Diversa 2015, com trabalhos que discutem a expressão de gêneros, identidades e orientações sexuais. Muitos trabalhos chamam a atenção, como o conjunto de pinturas “A Esquina de Monalisa”, criado pelo artista plástico e historiador Rodrigo Casali com base em sua pesquisa realizada com travestis. Os desenhos brincam com o gênero masculino e feminino, compondo um belo quadro visual. Já em “Um olhar de Marte”, ensaio realizado pela fotógrafa Patrícia Cholakov, um casal homossexual exibe seu cotidiano com naturalidade, pureza e sinceridade, assim como em “Um amor para todos”, da fotógrafa Amanda Cervantes. “Lampioa”, idealizado por João Zambom e Bruno Castro, utiliza elementos da literatura de cordel para abordar o cotidiano LGBT contemporâneo.

Lampioa
Outras obras que me chamaram a atenção são o “O menino de salto alto”, do graduado em teatro Weverton Andrade, que busca protestar contra a normatividade sobre o ser homem ou mulher e que gera inclusive vítimas fatais todos os dias; e “Geni: um ensaio fotográfico com corpos transitados”, das publicitárias Daniella Vinci e Mariana Moraes, que apresentam transexuais posando no estilo pin-up, demonstrando empoderamento das suas identidades.

Geni: um ensaio fotográfico com corpos transitados
Até outubro de 2015, o museu atingiu a marca de 150 mil visitantes, sendo 35% deles de fora da capital paulista. Se você, independente da orientação sexual, tem a mente aberta e gostaria de conhecer um pouco mais das manifestações artísticas do público LGBT, o Museu da Diversidade Sexual é uma ótima atração. 

Foto: Acervo pessoal

Danilo Moreira é jornalista e escritor. Além de gostar de observar e delirar sobre as entrelinhas do cotidiano, também produz conteúdos voltados à Criatividade no site Gênio Criador. Trabalhou no teatro por três anos com atuação e criação de roteiros. Escreve mensalmente para o AODC Notícias.