Não deixe de conferir:

12ª Mostra Cultural A Ordem do Caos - Programação

Pra quem estava ansioso, este ano a tradicional Mostra Cultural do grupo A Ordem do Caos ocorre no mês de agosto! Com atrações totalme...

08/11/2013

Deep Web: a rede obscura

Por Tamires Santana

Provavelmente já ouviu dizer que o ser humano não usa nem 10% da sua capacidade cognitiva. Pois bem, recentemente descobri que esta mesma falha acontece ao respirarmos e, mais recentemente, talvez tardiamente, descobri que o local onde todos nós nos encontramos também é apenas uma pequena parte do todo. A internet, máxima construção dos homens, instrumento de integração global, a mãe para todos da geração Y, não é apenas uma ferramenta para se navegar. É possível afundar e conhecer um oceano sombrio e cheio de segredos. Via de mão dupla, ao mesmo tempo em que leva em direção ao conhecimento, leva ao mundo da perdição (isto inclui as horas no Facebook quando há tarefas pra dar “prum” pau).


Como tudo na vida existe um mundo paralelo, uma marca do X enquanto versus, (vida material X espiritual, mundo legal X ilegal...), eis o ponto: Deep web, a rede obscura. Consultando a enciclopédia mais confiável do mundo, a Wikipédia, um ponto importante se esclarece:

Não deve ser confundida com a dark Internet, na qual os computadores não podem mais ser alcançados via Internet, ou com a Darknet, rede de compartilhamento de arquivos” 


Tirando os questionamentos referentes ao uso do “dark” (negro por quê? Algum problema em ser negro?), entende-se que na Deep Web se encontra o que os sites de buscas, como o Google, não localizam. Algo mais específico como: tráfico de drogas, de crianças de países pobres, de órgãos, de armas, pedofilia, pornografia (infantil), matador de aluguel, exploração sexual, terrorismo, seitas religiosas, grupos radicais, canibalismo, os sempre presentes hackers... a lista é extensa e perversa demais para ser citada. Enfim, se trata de práticas que geram vagas e mais vagas de emprego para agentes na Polícia Federal e FBI.
São sites acessados via proxy  - mecanismo que não rastreia o número do IP. Existem vários tutoriais na net que explicam como adentra neste mundo obscuro. Sendo um deles dando a primeira dica: baixar o Firefox e o Tor, o que permite anonimato na internet. Chegando lá, a coisa é um pouco confusa, pra começar pelos endereços, mas nada que a curiosidade não consiga explorar e encontrar.
Sendo assim, preparo psicológico e estar em dia com o funcionamento do estômago são dicas importantes de se seguirem a risca, além de ter um bom antivírus e firewall, ambos atualizados, pois lá fica confirmado: o ser humano, dotado de inteligência, consegue demonstrar e explorar, de várias formas, a crueldade que existe em si.  Agora imagine isto na coletividade. Mais do que um mundo paralelo (ilegal), é importante atentar-se que existem diferentes finalidades, de todos os níveis.

Mas como?
Você pode estar se perguntar como é que isto surgiu e ainda se mantem.
“Em grande parte, a deep web existe, assim como a própria internet, graças à força militar dos Estados Unidos. Neste caso, graças ao Laboratório de Pesquisas da Marinha do país, que desenvolveu o The Onion Routing para tratar de propostas de pesquisa, design e análise de sistemas anônimos de comunicação. A segunda geração desse projeto foi liberada para uso não-governamental, apelidada de TOR e, desde então, vem evoluindo... Em 2006, TOR deixou de ser um acrônimo de The Onion Router para se transformar em ONG, a Tor Project, uma rede de túneis escondidos na internet em que todos ficam quase invisíveis. Onion, em inglês, significa cebola, e é bem isso que a rede parece, porque às vezes é necessário atravessar várias camadas para se chegar ao conteúdo desejado” (fonte:  Olhar Digital).

Na verdade a Deep Web não é manipulada por alienígenas, pelo grupo do Bin Laden, nem pelo Americano ou Russo. Não, são conteúdos navegando na própria dimensão Word Wide Web, só que, pelo endereço estar criptografados, não ficam “panguando” como os sites tradicionais.

Complete a frase: onde há demanda há? Oferta seria a resposta. O que significa que a parte invisível da internet só se mantém porque existe louco pra tudo.
E se deseja saber mais sobre o assunto, vale a pena pesquisar. Existem milhares de sites que passam dicas do que é preciso ter, saber, fazer ou o que vai encontrar.

Interessante? Caso deseja explorar a rede obscura, mantenha a cabeça no lugar, pois pode ver tantas outras sem ela, além de que, lembre-se de que se encontra em um mundo com liberdade, mas quanto a responsabilidade... Acrescente traumatizante.





Tamires Santana é jornalista e designer gráfico, além de militante em prol dos movimentos sociais na cidade de Francisco Morato. Escreve para o AODC Noticias sobre cultura e variedades, quinzenalmente, sempre às sextas-feiras. Aprecie artes gráficas em http://tamisantana.wix.com/oficial e textos melancólicos, insensatos, apaixonados e quase nunca jornalísticos em: http://ofilhoemeu.blogspot.com.br/